sábado, 17 de outubro de 2009

Para Ágatha


Acabo de perder minha gata, companheira de 17 anos.
A morte é algo estranho. Por mais que se diga, teorize e estude sobre o assunto, nunca será suficiente para reprimir o sentimento de perda. E por mais banal que seja a morte de um animal (bicho irracional composto por pêlos, garras e dentes) é exatamente aí que nos damos conta do quão ridiculamente frágeis nós somos.

Então me pego pensando no sofrimento gigante que é perder alguém (pessoa, normalmente racional, composta de pele, cérebro e coração, além de dentes e garras) mais querido que um gato. E me pego a pensar também que, assim como no gato, a eutanásia é possível em seres humanos em alguns lugares: findar o sofrimento dando cabo da vida. Coisa de gente moderna, europeia, como diria o filosófo.

Mas no fundo é tudo uma questão de egoísmo: o sofrimento que todos querem findar não é o da pessoa doente, velha, vegetal ou senil e sim daqueles que aqui ficam, tratando, cuidando, aqueles que já não suportam mais ter em suas vidas um fardo, um peso morto. Depois de desligados os tubos, tudo que vemos são cabeças balançando em consentimento afirmativo de que "foi melhor assim".

Que Deus nos perdoe.

2 comentários:

Rogério disse...

Que pena flavinha. Nunca tniha pensado na Eutanásia por esse lado. Mas é verdade. Pêsames pela Aghata. Quem sabe agora não vem a Edith?

flávia disse...

Pois é. Gostei do nome. Logo logo vem outra aí. bjo